Página inicial > Pesquisa > Pesquisas concluídas > Revisão das teorias psicanalíticas da depressão de Freud e Winnicott: um olhar (...)

Revisão das teorias psicanalíticas da depressão de Freud e Winnicott: um olhar heideggeriano

quarta-feira 1º de outubro de 2014, por Equipe

O objetivo deste estudo é analisar as teorias psicanalíticas da depressão de S. Freud e D. Winnicott para verificar a aplicabilidade dessas teorias para o exercício da clínica da depressão. Para tanto será realizado um exame comparativo das teorias visando estabelecer a relação existente entre o corpo teórico e o quadro filosófico em que elas se inserem. Este estudo apresentará a teoria de D. Winnicott como um exemplo de uma teoria não metafísica, e seu autor o responsável por uma mudança de paradigma na psicanálise. Uma aproximação de Winnicott com Heidegger visa verificar a possibilidade de ser a analítica existencial um dos fundamentos do pensamento winnicottiano.

Bibliografia

Allers, Rudolph 1970: Freud – um estudo crítico da psicanálise. Porto, Portugal, Livraria Tavares Martins.

___1961: Existencialism and Psychiatric. Springfield, Illinois, Charles Thomas Publisher.

Bleichmar, Hugo 1983: Depressão – um estudo psicanalítico, Porto Alegre, Artes Médicas.

Dias, Elsa 1998: A teoria winnicottiana das psicoses, São Paulo, PUCSP, tese de Doutorado.

___1999: A clínica das psicoses e a teoria do amadurecimento de Winnicott, Revista Infanto, nº 7, pp. 15-19.

Freud, S. (1917 [1915]): Luto e Melancolia. Edição Standard Brasileira, vol. XIV. Rio de Janeiro, Imago, 1996.

Fulgêncio, Leopoldo 2001: O método especulativo em Freud. São Paulo, PUCSP, tese de Doutorado.

Grinberg, León 2000: Culpa e depressão. Lisboa, Portugal, Climepsi Editores.

Heidegger, Martin 1995: Ser e tempo. Petrópolis, Vozes.

___2001: Seminários de Zollikon - Martin Heidegger. Ed. Medard Boss; trads. Gabriella Arnhold, Maria de Fátima de Almeida Prado. São Paulo, Educ; Petrópolis, Vozes.

Holmes, David 1997: Psicologia dos transtornos mentais. Porto Alegre, Artes Médicas.

Loparic, Zeljko 1995: Winnicott e o pensamento pós-metafísico. São Paulo, Psicologia USP, v.6, n.2, p.39-61.

___1997: Winnicott: uma psicanálise não edipiana. São Paulo, Revista de Psicanálise, vol. IV, n. 2.

___1998: Psicanálise: uma leitura heideggeriana. Revista Veritas, Porto Alegre, v.43, n° 1.

___1999a: Heidegger and Winnicott. Revista Natureza Humana, São Paulo, v.1, nº1, pp. 104-135.

___1999b: A teoria winnicottiana do amadurecimento pessoal. Revista Infanto, n°7, pp 21-23.

___1999c: O conceito de Trieb na psicanálise e na filosofia. In: Filosofia e psicanálise - um diálogo. Porto Alegre, Edipuc.

___2000: O animal humano. Revista Natureza Humana, São Paulo, v. II, n.2, pp.351-397.

___2001: Além do inconsciente - sobre a desconstrução heideggeriana da psicanálise. São Paulo, Revista Natureza Humana, v.3, n.1,pp.91-140.

Shorter, Edward 2001: Uma história da psiquiatria – da era do manicômio à idade do prozac. Lisboa, Portugal, Climepsi.

Rudnytsky, Peter 1991: The Psychoanalytic Vocation – Rank, Winnicott, and The Legacy of Freud. London, Yale University Press.

___1993: Transitional Objects and Potential Spaces. New York, Columbia University Press.

Winnicott, Donald W. (1986b): Tudo começa em casa. São Paulo, Martins Fontes, 1993.

___ (1987 a): Os bebês e suas mães. São Paulo, Martins Fontes, 1988.

___ (1965b): O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre, Artes Médicas,1990.

___ (1988): Natureza humana. Rio de Janeiro, Imago, 1990.


depressão, psicopatologia, psicanálise, Heidegger, Winnicott