Página inicial > Pesquisa > Pesquisas concluídas > A Teoria do Amadurecimento de D. W. Winnicott como Ciência Ôntica da (...)

A Teoria do Amadurecimento de D. W. Winnicott como Ciência Ôntica da Acontecência Humana.

quarta-feira 1º de outubro de 2014, por Equipe

A tese a ser desenvolvida tem por objetivo

1) dar prosseguimento aos resultados obtidos durante o mestrado e pretende mostrar que a teoria do amadurecimento humano proposta por D. W. Winnicott no decorrer de toda a sua obra ajuda a esclarecer onticamente a idéia que Heidegger apresenta em Ser e Tempo de que o homem é um ser acontecente. Neste sentido, considera-se que a psicanálise de Winnicott consegue superar o naturalismo ainda presente na psicanálise tradicional (em especial, Freud e Klein);

2) oferecer uma possibilidade de fundamentação ontológica da psicanálise de Winnicott não mais baseada na metapsicologia (que, em última instância, significa dizer metafísica), mas sim erigida a partir da desconstrução desta no quadro da analítica existencial de Heidegger;

3) usar as noções de Filosofia da Ciência de Thomas S. Kuhn como instrumento metodológico para analisar as mudanças existentes entre a psicanálise tradicional e a psicanálise de Winnicott e apontar os componentes ontológicos existentes entre a psicanálise winnicottiana e a filosofia de Heidegger.

Bibliografia

Dias, E. O. A teoria das psicoses em D. W. Winnicott. Tese de Doutorado, PUC-SP, 1998.

Fulgêncio, L. O método especulativo em Freud. Tese de Doutorado, PUC-SP, 2001.

Heidegger, M. Sein und Zeit, GA 2. Frankfurt: Vittorio Kloestermann, 1977.

___. Zollikoner Seminare. Frankfurt: Vittorio Klostermann, 1987.

___. Was ist Metaphysik. GA 9. Frankfurt: Vittorio Kloesterman, 1976.

___. Vom Wesen des Grundes. GA 9. Frankfurt: Vittorio Kloesterman, 1976.

___. Vom Wesen der Wahrheit. GA 9. Frankfurt: Vittorio Kloesterman, 1976.

___. Ser e tempo. Parte I, 9ª ed.. Petrópolis - RJ: Vozes, 2000.

___. Ser e tempo. Parte II, 6ª ed.. Petrópolis – RJ: Vozes, 1998.

___. Que é metafísica. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1969.

Klein, M. Envy and Gratitude and Other Works. London: Virago Press, 1988.

___. Psicanálise da criança. São Paulo, Mestre Jou, 1969.

___. Amor, ódio e reparação: as emoções básicas do homem do ponto de vista psicanalítico. Rio de Janeiro/São Paulo: Imago/USP, 1976.

Kuhn, T. The Structure of Scientific Revolutions, 2. ed., The University of Chicago Press, 1970.

Loparic, Z. A fenomenologia do agir em Sein und Zeit. Manuscrito, vol. VI, no. 2, 1982, pp. 149-180.

___. Resistências à psicanálise. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, n. 8, 1985, pp. 29-49.

___. Paradigmas cartesianos. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Série 2, vol. I, no. 2, 1989, pp. 185-212.

___. Heidegger réu. Um ensaio sobre a periculosidade da filosofia. Campinas: Papirus, 1990, 254 pp.

___. Um olhar epistemológico sobre o inconsciente freudiano, in KNOBLOCH, F. (orga.) 1991: O inconsciente: várias interpretações, pp. 43-58. S. Paulo: Escuta.

___. Heidegger e a filosofia da finitude, Revista Latinoamericana de Filosofia, vol. XVII, no. 1, 1991, pp. 21-41.

___. Ética e finitude, in NUNES, Benedito (org.) 1994: A crise do pensamento, pp. 37-122. Belém do Pará: Editora da UFPa.

___. Winnicott e Heidegger: primeiras aproximações. Anais do III Encontro Latino-Americano sobre o Pensamento de D.W. Winnicott, vol. I, pp. 245-54. P.Alegre: Grupo de Estudos Psicanalíticos de Pelotas, 1994.

___. Winnicott e Heidegger: afinidades. Boletim de novidades, ano VIII, no. 69, janeiro de 1995, pp. 53-60. S. Paulo: Ed. Livraria Pulsional.

___. Ética neopragmática e psicanálise. Percurso, no. 14, 1/1995, pp. 86-95.

___. Descartes desconstruído. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Série 3, vol. V, nos. 1-2, 1995, pp. 183-203.

___. Winnicott e o pensamento pós-metafísico. Psicologia USP, vol. VI, no. 2, 1995, pp. 39-61.

___. O fim da metafísica em Carnap e Heidegger, in DE BONI, Luís Alberto (org.) 1996: Festschrift em homenagem a Ernildo Stein. Petrópolis: Vozes, pp. 782-803.

___. O ponto cego do olhar fenomenológico. O que nos faz pensar, no. 10, vol. I, 1996, pp. 127-149.

___. Winnicott: uma psicanálise não-edipiana. Percurso, ano IX, no. 17, 1996/02, pp. 41-47.

___. Heidegger e a pergunta pela técnica. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Série 3, vol. VI, no. 2, 107-138.

___. Ética neopragmática e psicanálise. Revista de Psicanálise da SPPA, vol. III, no. 3, pp. 445-459,1996.

___. Descartes heurístico. Campinas: IFCH, UNICAMP, Col.Trajetória no. 3, 192 pp., 1997.

___. Winnicott e M. Klein: conflito de paradigmas, in CATAFESTA, Ivonise F. da M. (orga.) 1997: A clínica e a pesquisa no final do século: Winnicott e a Universidade. S. Paulo: Inst. de Psicologia da USP, pp. 43-60.

___. A máquina no homem. Psicanálise e Universidade, no.7, 1997, pp. 14-32.

___. O Édipo de Freud a Bion. Boletim Científico da SPRJ, XVIII, 3, 1997, pp. 375-381.

___. Psicanálise: uma leitura heideggeriana. Veritas (PUCRS), vol. XLIII, no. 1, 25-41.

___. Origem e sentido da responsabilidade em Heidegger. Veritas (PUCRS), 40 (1), 1999, pp. 201-220.

___. Heidegger’s Project of a Hermeneutic Anthropology, Memórias del XIV Congreso Interamericano de Filosofia, Puebla ’99. Cidade de México: Associación Filosófica Mexicana (em CD-Rom), agosto de 1999.

___. O conceito de Trieb na psicanálise e na filosofia alemã, in MACHADO, Jorge A. T. (org.), Filosofia e Psicanálise: Um diálogo. Porto Alegre: Edipuc, pp. 97-157.

___. Heidegger and Winnicott. Revista Natureza Humana, I (1), 1999a, 103-35.

___. É dizível o inconsciente? Revista Natureza Humana, I (2), 1999, pp. 323-385.

___. A teoria winnicottiana do amadurecimento pessoal. Revista Infanto, vol. VII, suplemento 1, 1999, pp. 21-23.

___. A moralidade e o amadurecimento, Atas do IX Encontro Latino-Americano sobre o Pensamento de D. W. Winnicott, 20-22/10/2000, pp. 300-316. Rio de Janiero, SBPRJ.

___. Winnicott’s Paradigm. Squiggle Foundation, julho, 2000.

___. Esboço do paradigma winnicottiano. Col. Primeira Versão. Campinas, IFCH, Unicamp, 2001 (no prelo).

___. O animal humano, Revista Natureza Humana, vol. 2, n. 2, 2001 (no prelo).

___. Além do inconsciente: sobre a desconstrução heideggeriana da psicanálise, Revista Natureza Humana, vol. 3, n. 1, 2001 (no prelo).

___. Theodor Lipps, uma fonte esquecida do paradigma freudiano. Revista Natureza Humana, vol. 3, n.1, 2001 (no prelo).

___. O masculino e o feminino: uma distinção-chave no paradigma winnicottiano. Revista Natureza Humana, vol. 3, n. 2, 2001 (no prelo).

Santos, E. S. As angústias impensáveis em relação à angústia de castração. Dissertação de Mestrado, Unicamp, 2001.

Winnicott, D. W. Collected Papers: Through Paediatrics to Psychoanalysis. Londres: Tavistock Publications, 1958.

___. The Child, the Family and the Outside World. Londres: Penguin Books, 1964.

___. The Maturational Process and the Facilitating Environment: Studies in the Theory of Emotional Development. Madison: International Universities Press, [1964] 1996.

___. The Family and Individual Development. Londres: Tavistock Publications Ltd, 1965.

___. Playing and Reality. England Penguin Books, 1971.

___. Holding and Interpretation: Fragment of Analysis. Londres: Hogarth Press and the Institute of Psychoanalysis, 1972.

___. Home is Where We Start From. Londres: Penguin Books, 1986.

___. Babies and their Mothers. Londres: Free Association Books, 1987.

___. Selected Letters of D. W. Winnicott. Cambridge, Massachusetts, 1987.

___. Human Nature. New York: Brunner/Manzel, 1988.

___. Psychoanalytic Explorations. Cambridge/Massachusetts: Harvard University Press, 1989.

___. Talking to Parents. USA: Addison-Wesley Publishing Company, 1993.

___. Londres: The Winnicott Trust, 1993.

___. Thinking about Children. Londres: Karnac Books, 1996

___. Deprivation and Delinquency. Londres: Routledge, [1984]1994.

Publicação em Anais de Congressos

Santos, E. S. Angústias impensáveis: mudanças na psicanálise tradicional. Anais do X Encontro Nacional de Filosofia – ANPOF, São Paulo – SP,2002.

Santos, E. S. A teoria do amadurecimento humano de D. W. Winnicott como ciência ôntica da acontecência humana. Anais do VII Simpósio de Filosofia Moderna e Contemporânea da UNIOEST, Toledo - Pr, 2002.

Santos, E. S. Ser-para-o-início. Anais do Krisis - I Fórum de Filosofia Contemporânea, PUCRJ, 2003.

Santos. E. S. O “conceito de nada” na psicanálise de Winnicott e na fenomenologia existencial de Heidegger. Anais da 55ª SPBC, 2003.


amadurecimento, paradigma, acontecência, Winnicott, Heidegger